Quer receber dicas inéditas de turismo?

Viajando com animais para a União Européia

Nesse post vou fazer o relato sobre como viajar com animais para a União Européia, mais especificamente como viajar com gatos.
No meu caso, tenho 5 (cinco) gatos e na minha mudança para fora do Brasil eles não ficariam de fora…Seria impossível deixá-los, por isso procurei bastante como viajar com animais de uma forma segura para eles.
Umas das minhas maiores preocupações era como levá-los…. Na cabine ou no porão? Eu morria de medo de que algum gato “fosse perdido” por alguma companhia aérea, como já ocorreu em território brasileiro… e não há nada que pague pela vida de um dos meus filhotes…
 
Assim, depois de tanto pesquisar, resolvi que não levaria nenhum no porão considerando os vários relatos de problemas das pessoas que optaram por viajar com animais no porão….
Sim, estava decidido. Todos na cabine sob minha supervisão.
Ocorre que há um pequeno problema para viajar com animais na cabine: cada  animal deve ser acompanhado por uma pessoa quando viajam na cabine, ou seja, não é possível que uma pessoa leve 2 animais.
Sou apenas uma e com cinco gatos para transportar… Não teve outra maneira a não ser recorrer à ajuda familiar (minha mãe). Ao todo foram 3 viagens (2 gatos + 2 gatos + 1 gato).

Documentos e procedimentos necessários para a viagem

Para ingressar com um cão ou gato é necessário que seja emitido um certificado veterinário

internacional, vulgo CVI, emitido pelo órgãos da VIGIAGRO (sistema ligado ao Ministério da
Agricultura).A União Européia exige que o animal seja vacinado e testado para a raiva, bem como possua uma identificação (microchip) conforme os Regulamentos UE nº 576 e 577/2013.
No entanto, para se chegar até a emissão desse certificado é necessário percorrer alguns
caminhos. Aqui vão eles:
Primeiro passo: aplicação de microchip no animal que deve ser do padrão exigido pela UE para eventual leitura. Recomenda-se que o microchip atenda a norma ISO11784 ou ISO 11785, ou seja do tipo FDX-B.
Após a aplicação do microchip deve-se vacinar o animal contra a raiva, mas somente após a
aplicação do microchip. Pode-se fazer os dois procedimentos no mesmo dia.
Segundo passo: após a vacinação recomenda-se aguardar um prazo de 30 dias para a coleta de sangue, para que nesse tempo o animal adquira os anticorpos necessários. Essa é a parte mais chatinha…. pois essa espera vira uma eternidade… E será nessa fase que o animal cumprirá a “quarentena” antes da viagem.
O sangue do animal deverá ser enviado para um laboratório credenciado pela UE, e hoje no Brasil só temos um laboratório em São Paulo (o Laboratório de Zoonoses e Doenças Transmitidas por Vetores).
Como morava em Brasília, fiz todo o procedimento na Casa do Gato (especializada em medicina veterinária).
Antes de viajar, observe se há especificidades para cada país, pois às vezes há algumas
exigências ou proibições dentro da própria UE.
Agora sim, chegou a hora de aguardar o resultado. O animal só poderá viajar se o resultado da sorologia da raiva (nome do exame) for 0.50 IU ml. Caso o valor seja inferior, deve-se vacinar novamente o animal, aguardar o prazo e começar tudo de novo.
Quando mencionei sobre a quarentena, exige-se um interstício mínimo de 90 (noventa) dias entre a coleta do sangue e a saída do animal do Brasil.
Terceiro passo: recebido o teste, já se pode marcar a viagem, desde que respeitado o prazo de quarentena de 90 dias!
Aqui faço uma observaçao: para os cães ainda é necessário um atestado de tratamento
parasitário.
Quarto passo: emissão do Certificado Veterinário Internacional (CVI). O CVI só tem a validade de 10 (dez) dias, portanto, deixe para solicitar a emissão uns três dias antes da viagem para que o certificado não expire. Aconselho ligar para a unidade da VIGIAGRO, pois cada uma tem horários e procedimentos diferentes. Em Brasília, a unidade que emite está localizada no aeroporto e não é/era necessário agendar horário.
Os documentos necessários para emissão da CVI são: carteira de vacinação, teste de sorologia, comprovante de identificação de microchip e atestado veterinário que só vale por 72 horas (todas a documentação tem que ser apresentada original e cópia).
Para a emissão da CVI também será necessário preencher um formulário disponível na própria unidade da VIGIAGRO.
O tempo de emissão do CVI geralmente é de 24 horas em Brasília. Ao receber o CVI observe
atentamente se as informações estão corretas, pois essa será a única documentação do animal na viagem
Segue um link bem esclarecedor:

Outras questões relacionadas a minha viagem com gatos:

 

Empresa Área:
Minha maior preocupação era o bem estar dos meus felinos e por isso optei por levá-los na
cabine, observe que cada companhia tem uma política de viagem com animais, peso, animais permitidos, etc.
Fiz 2 viagens pela Air France e uma pela TAP. Como morava em Brasília, essas eram as 2 companhias que faziam voo direto para a Europa.
Na minha opinião, a Air France é a empresa mais preparada para viagem com animais, desde a reserva de animais na cabine até o embarque/desembarque. A reserva é feita sem demora pela central e o pagamento feito no momento do embarque.
Com a Air France, pude embarcar prioritariamente para acomodar os animais abaixo dos assentos.
Por outro lado, minha experiência pela TAP não podia ser pior, minha conexão foi alterada
(prolongada) e fizeram a reserva erroneamente no porão, o que me fez ter um pouco de dor de cabeça para desfazer isso.
A taxa devera ser paga no momento da reserva e em hipótese nenhuma me deram preferencia para embarque, tanto em Brasília como em Lisboa.
Bolsa de Transporte:
Para viagem em cabine, não pode-se usar caixa de transporte rígida, pois não iria caber mesmo embaixo do assento, fique atento que cada empresa possui uma medida.
Após muito pesquisar, optei por pedir as bolsas de transporte Sherpa no site da amazom.com, segue o link:
Em que pese o valor do dólar, é um ótimo custo-benefício! São muito confortáveis, práticas e
resistentes!!
Chegando no novo país:
Por fim, ao chegar no destino, faça o registro do animal na cidade e solicite o passaporte europeu, pois com o passaporte europeu o animal terá livre-trânsito pela UE e será bem mais simples viajar com animais lá.
Boa viagem!
soraya alves

Adoro viajar e conhecer novos lugares, culturas diferentes e claro, o melhor da gastronomia de cada cidade.

Se você gostou deste post, por favor deixe um comentário ou cadastre-se em nosso site para receber a nossa NewsLetter e compartilhe nas redes sociais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Translate »